Ext-Tarde. Edi cios multifamiliares - calles

Int-Noche. Apartamento Marta

Int-Dia. Apartamento Marta

Int-Dia. Apartamento abuela

Int-Tarde. Apartamento abuela - bano

Pelo malo

Junior tem nove anos e o “cabelo ruim”. Ele quer alisá-lo para a foto da escola e ficar como um cantor da moda. Esta situação provoca um conflito com sua mãe Marta. Enquanto Junior procura estar bonito para que sua mãe o ame, ela o rejeita cada vez mais. Ao final, Junior terá que tomar uma dolorosa decisão.

Pelo malo | Mariana Rondón | Venezuela, Peru, Argentina, Alemanha | 2013 | 93 min.

“Para mim, escrever esse roteiro foi olhar, olhar mais uma vez e ir decifrando aquelas imagens que eu recolhi. Aos poucos, apareceram os detalhes. Olhos de desencanto, rostos capazes de contar uma vida de sofrimentos quotidianos, pessoas feridas capazes de ferir da mesma maneira. Mas também estava ali a constatação dos corpos, do desejo, da sensualidade e da sexualidade, e a tentativa constante de angariar um espaço de liberdade individual.” Mariana Rondón

MARIANA RONDÓN

Nascida na Venezuela, Mariana Rondón é diretora, roteirista, produtora e artista plástica. Após estudar cinema de animação em Paris, se formou na Escola de Cinema EICTV, Cuba. No início dos anos 1990 criou a SUDACA FILMS, onde realizou curtas-metragens como Calle 22, que recebeu 22 prêmios internacionais. Seu primeiro longa-metragem, A la media noche y media (1999), codirigido com Marité Ugás, foi apresentado em mais de 40 festivais internacionais e recebeu prêmios de obra-prima. Em 2007 estreou Postales de Leningrado com 25 prêmios internacionais, como FIPRESCI-Kerala, Júri em San Pablo e Biarritz. Pelo malo (2013), ganhou a Concha de oro de Melhor filme no Festival de San Sebastián, além de outros 44 prêmios, como Alexander de bronze em Thessaloniki e Melhor direção e roteiro em Mar del Plata e Torino. Como produtora, em 2011, estreou El chico que miente, de Marité Ugás, na Berlinale Generation, e atualmente prepara Contactado. Nas artes plásticas, sua instalação robótica Llegaste con la brisa (20xx-20xx) foi exibida em Caracas, México, Puebla, Gijón, Lima, Santiago e Beijing. Sua obra mais recente, Superbloques (2012-2015), já foi exposta, até o momento, no Rio de Janeiro, Toulouse e Caracas.


Publicaciones relacionadas